Relatos do Kratom: Michael Carr

Relatos do Kratom: Michael Carr

Clique aqui para ler a versão original em inglês

“Relatos do Kratom” é uma série de entrevistas do KratomScience.com com pessoas que usam kratom para ajudar a lidar com a dor, depressão, ansiedade ou dependência de drogas. Entre em contato conosco no Twitter @kratomscience ou pelo e-mail do Brian ([email protected]) se você gostaria de contar a sua história.

Michael Carr nasceu em Filadélfia, Pensilvânia e agora reside em Jacksonville, Flórida. Michael está sóbrio há 10 anos graças ao kratom, que lhe tem ajudado a ficar longe de benzodiazepínicos, analgésicos e outros medicamentos prescritos. No passado, ele vendia kratom através de uma loja de produtos vape, e atualmente está criando uma árvore de Rifat (uma variedade de kratom) em seu quintal. Ele planeja cultivar mais kratom no próximo ano.

Kratom Science: Obrigado por falar conosco, eu agradeço isso!

Michael Carr: Eu aprecio o que você está fazendo, de verdade. Mais pessoas precisam ser aclimatadas, educadas, informadas sobre essa árvore incrível. E eu acho que a maneira que você está fazendo isso é um enorme trampolim em diferentes níveis. Com um pouco de sorte, vai ajudar muito mais pessoas.

KS: Então você é da Flórida?

MC: Bom, sou de Filadélfia, mas agora vivo na Flórida. Em Jacksonville.

KS: O que faz aí?

MC: Agora eu trabalho para uma empresa de caminhões. Faço o despacho para alguns motoristas. Além disso, eu também tiro algumas fotografias.

KS: Quando você começou a usar kratom pela primeira vez e por que?

MC: A primeira vez deve ter sido há alguns anos atrás, talvez quatro, talvez cinco. Usei por pouco tempo, depois deixei de tomá-lo. Há cerca de dois anos e meio, comecei a ajudar um amigo meu a abrir sua loja de produtos para vape, local onde vivo. E eu comecei a partir do zero. Eu fiz todo o marketing para ele, sua publicidade. Eu comecei a vender kratom. Comecei a tomar de novo e não parei desde então.

KS: Por que você começou a tomá-lo novamente?

MC: Por muitas razões. Eu lido com ansiedade, depressão. Tenho fibromialgia, por isso lido com a dor. Eu tenho artrite pós-traumática na minha clavícula, então eu tomo para isso também. Principalmente, ansiedade e dor. Tem muitas outras coisas que ele ajuda. Então é uma planta perfeita para muitas coisas. Eu tomo para inflamação. E também porque me faz sentir bem. Me traz de volta à vida. Eu passei por um monte de coisas complicadas no meu passado. E eu acho que um monte dessas coisas estão presas no subconsciente da minha mente. Posso não estar sempre pensando nisso, mas estão lá. Elas ganham vida em sua maneira obscura. Até me traz de volta à vida. Me faz voltar a ser eu outra vez, entende? E adoro porque, se não fosse por isso, estaria escondido no meu quarto com medo do mundo, não sendo capaz de fazer nada. Essa é uma pessoa que eu não quero voltar a ser. Eu costumava tomar os benzodiazepínicos, eu costumava tomar os analgésicos, os antidepressivos. Se você disser o nome, eu provavelmente tomei. Eu não tomo nada disso agora.

KS: Isso é um incrível.

Fala um monte por si só.

KS: Qual foi o acontecimento que resultou na artrite pós-traumática?

Ah, eu quebrei a clavícula quando tinha 16 anos. E foi partida bem no meio, por isso foi uma ruptura completa. E por causa disso nunca curou direito. Chamam de artrite pós-traumática. Eu estava descendo uma colina em Filadélfia, perto da minha casa, num lugar chamado Burr Home Park. O meu amigo caiu, eu caí em cima dele, e o meu outro amigo que tinha cerca de 130 quilos caiu em cima de mim. Então eu fui esmagado entre os meus dois amigos e quebrei a clavícula ao meio.

KS: Como é que o kratom ajuda com a depressão e ansiedade especificamente? O kratom ajuda a me motivar – tipo o café, mas funciona melhor. É assim que você sente os efeitos em relação à depressão?

Com certeza, sim. A depressão vem com uma porrada de sintomas diferentes. Mas você acertou exatamente no que disse. Quando você toma a primeira xícara de café pela manhã, você consegue um certo impulso de energia, tipo “caramba, eu consigo fazer isso. Esse vai ser um bom dia.” Mas isso só dura um pouco. O kratom é assim, mas é mais intenso, e é mais duradouro.

KS: Você disse que está sóbrio há 10 anos. O kratom te ajudou a deixar as drogas?

MC: Bom, eu acho que pode-se dizer que sim em certo sentido. Porque eu estava tomando benzodiazepinas. Eu tomava Xanax e Klonopin para a ansiedade. Eu tomava Tramadol e Percocet para as dores. Eu estava tomando antidepressivos. Mas o principal é que ele me livrou de benzodiazepinas e analgésicos. Eu já não tenho que tomá-los. E isso é muita coisa. Isso é realmente muita coisa, cara.

KS: Também te ajudou a parar de beber álcool?

MC: Bom, eu não bebo. Não bebo há 10 anos. Mas eu diria que se eu ainda estivesse bebendo, me conhecendo no passado, que isso provavelmente me ajudaria tremendamente a ser capaz de parar de beber. Porque eu me conheço, sei como sou. Então acho que se agora voltasse ao tempo quando bebia, e o que eu estava fazendo, e como eu estava me sentindo, o kratom iria ajudar e permitir viver a minha vida sem ter que beber para fazer a minha própria vida desaparecer. Sabe o que quero dizer? É por isso que as pessoas bebem. Você fica viciado, mas está tentando fugir da vida. Tentando escapar da realidade.

KS: Sim. No início é algo divertido, mas depois de um tempo se torna uma maneira de se entorpecer. Você diria que tem uma personalidade viciante?

MC: Ah sim, sim. Eu tenho.

KS: Há pessoas que tomam kratom todos os dias. Elas podem ser dependentes dele para a dor etc., mas eu não sinto que é viciante no uso comum do termo. Bebo café todos os dias, mas não é algo que me vai meter em problemas.

MC: Com certeza. Não vou assaltar lojas porque preciso de dinheiro para o kratom. Sabe o que quero dizer? Isso não vai acontecer.

KS: Eu realmente acho que ele deve estar nas prateleiras do supermercado ao lado do café e do chá. Crianças provavelmente não deveriam tomá-lo, mas as crianças poderiam beber todo o café que elas quisessem, mas não o fazem, porque é uma coisa chata – não é uma droga para se divertir. Ninguém faz chá de kratom para ficar chapado e se divertir.

MC: Não, de modo algum. Você faz isso para passar o seu dia, para se sentir normal de novo, para ficar longe dessas coisas que você não quer próximas. E como você disse, é um café com esteróides.

KS: Você mencionou que sua mãe era uma cientista. Que tipo de ciência ela faz?

MC: Ela faz testes humanos de sabor, toque e cheiro em humanos e animais. Por isso, é tudo humano. Não estão testando perfumes. Não estão injetando químicos em ratos. Então… Purina Dog Chow. Quando eles começaram a fazer alguns de seus diferentes tipos de alimentos para cães, eles buscaram pessoas como a minha mãe, que criou um tipo específico de ração para cães e, em seguida, testaram em cães para ver se eles iriam gostar.

KS: Ela tem opiniões sobre o kratom?

MC: Sim, ela sabe que eu tomo e acredite em mim, ela estava por perto nos meus tempos de bebidas e drogas. Então ela sabe quem eu sou nos meus piores momentos. Eu não era uma pessoa que ela queria estar por perto, mãe ou não. Hoje em dia é diferente. Quando se trata disso, ela está orgulhosa de mim. Ela entende porquê eu tomo o kratom agora, e ela concorda com isso. E para ela concordar com algo assim, isso diz muito.

KS: Então você está cultivando árvores de Rifat?

MC: Sim. Bom, tem duas variedades de kratom – tem Bumblebee e Rifat. Rifat é mais para alívio da dor e sedação, enquanto Bumblebee é mais energético, melhora o humor.

KS: O Rifat é uma estirpe vermelha?

Sim, é uma variedade Thai. É um Red Vein Thai (tailandês de veia vermelha). Tem um cara chamado Claude Rifat, que era um botânico da Suíça. Na verdade, ele é a basicamente a primeira pessoa que cultivou uma planta de Rifat fora da Tailândia. E se der uma olhada, o Rifat é muito raro e muito procurado, porque tem bastante mitraginina, que é um dos principais alcaloides. Ele é resistente ao vento. É resistente à chuva. Pode ficar na luz do sol direta. É mais fácil de crescer do que qualquer outra forma de kratom, se você olhar para os dados em comparação com a variedade Bumblebee. Quando se trata da secagem, diferentes tipos de secagem podem preservar, oxidar ou destruir alcaloides. O Rifat é uma planta muito forte, profundamente enraizada, por assim dizer. E é muito resistente a muitas coisas. Eu estou cultivando uma agora. Tem quase 30 cm de altura. É muito bonita. Mas estamos prestes a mudá-la de vaso novamente, então ela vai ficar enraizada profundamente. Deve ter cerca de um metro e meio de altura em seis meses.

KS: Você está cultivando dentro ou ao ar livre?

Ela já está lá fora. A jovem árvore de kratom Rifat do Michael.

Foto da jovem árvore de kratom Rifat do Michael.

KS: A Flórida tem um bom clima para o kratom? Você acha que poderia existir acres de árvores de kratom na Flórida? Seria ótimo ter um pouco de kratom doméstico.

MC: Bom, o cara de quem eu consegui essa planta tem uma árvore ao lado de sua casa, de provavelmente uns 8 metros de altura agora. Tem dois anos de idade. Ele tem cerca de 13 plantas em sua propriedade agora. Eu diria que a Flórida, para esta planta, é uma área ótima. Porque ela é muito resistente ao vento, à água e à temperatura, e adora a luz do sol direta. Eu observei a minha árvore brotar seis folhas novas nas últimas duas semanas, e elas crescem de três e meia a quase quatro polegadas. É maravilhoso.

KS: Isso é um incrível. Ouvi dizer que leva três anos para os alcaloides começarem a trabalhar nas folhas etc.

MC: Bom, dizem que leva alguns anos para amadurecer. Mas alguém também me disse que assim que o caule atinge oito milímetros de circunferência, na verdade este seria um ponto no qual você pode começar a escolher as folhas e usá-las como medicamento. E oito milímetros é bem pequeno, de verdade. E isso é apenas o tronco, lembre-se. Eu posso te mandar fotos dessa planta e te manter atualizado enquanto está crescendo, assim você pode vê-la progredir e crescer. É bastante incrível de ver. Ela me surpreende todos os dias. Está sempre diferente.

KS: Com certeza! Isso seria ótimo. Temos interesse em qualquer um que a cultive, especialmente nos Estados Unidos. Se você tivesse cinco minutos para ensinar alguém a cultivar uma árvore de kratom, o que lhe diria? Onde você conseguiu as sementes?

MC: Essa é uma boa pergunta. Ainda não pus as minhas mãos em sementes. A planta que eu tenho foi cultivada pelo meu amigo que é herborista. Ele começou a árvore, e então eu peguei dele. Eu peguei em crescimento, com aproximadamente um mês de idade. Pelo que ouvi, é muito difícil fazer essas árvores germinarem. É por isso que ele só tem o que tem. Dito isso, é uma árvore muito faminta. Elas amam água. Bebem toneladas. Então apenas asseguro que ela esteja regada. Eu a mantenho fora no sol. E é isso. Eu a mantenho na terra normal do vaso, nada chique. Deixo a natureza fazer sua parte. Eu não me intrometo. Deixo a natureza seguir o seu curso e a vejo crescer todos os dias.

KS: E temos todo esse movimento sobre o kratom de pessoas de todas as convicções políticas. Acho que uma das coisas em que todos concordamos é que o kratom deve ser regulado para que todos saibamos o que estamos comprando. Você concorda com isso?

MC: Com certeza, absolutamente. Eu compro de empresas de boa reputação para mim. Sei que eles o testam. Sei o que estou colocando no meu corpo. Daqui a um ano, estarei cultivando o meu no meu quintal, secando o meu, e consumindo o meu.

KS: Atualmente, você compra o pó ou usa a folha crua que parece cortada?

Eu compro o pó para mim. Ainda não experimentei a folha.

KS: Eu acho que cultivá-la é provavelmente a maneira mais fácil. Cortar as folhas e colocá-las em um pote.

MC: Sim, ou apenas mastigar.

KS: Existe alguma estirpe que você prefira em relação a outras, como vermelha ou branca?

MC: Eu geralmente uso uma verde ou uma branca. A que eu tomo é uma mistura de vermelha, verde e branca. Essa é a minha principal que eu tomo agora. Tem 50% verde, 25% branca e 25% vermelha. E a outra que eu tomo é principalmente vermelha, eu uso essa para a dor. Misturo essas duas juntas e coloco uma colher de chá de cada.

KS: As variedades parecem ser diferentes de acordo com o fornecedor. As variedades são realmente tão diferentes ou você acha que isso depende da empresa e de onde as árvores foram cultivadas?

MC: Bom, a maior parte depende do processo de secagem, porque o processo de secagem é o que a torna vermelha, verde ou branca. E depende de onde vem… Indonésia, Tailândia. E depende de quem você está recebendo. Vai ser sempre diferente, é por isso que encontro as empresas que encontro. Eu me certifico que são legítimos. Sei que elas têm coisas de qualidade. Eu me mantenho fiel. Não há necessidade de mudar. Em time que está ganhando não se mexe.

KS: Existe alguma situação política acontecendo com o kratom na Flórida atualmente?

MC: Não. Tinha uma representante política tentando proibi-lo na Flórida…

KS: Aquela do Leaf of Faith (Folha da Fé, documentário sobre o kratom)? (Representante Kristin Jacobs)

MC: Sim. Ela não queria nada além de colocar o nome dela lá. Ela teve o que merecia, o que foi nada. Ela não chegou a nenhum lugar com isso, e nem vai.

KS: A outra coisa que pergunto a todos é: você teve algum efeito colateral tomando kratom?

MC: Não. Honestamente, a pior coisa que me aconteceu foi ficar constipado por alguns dias. E então tomei um laxante.

KS: Sim, muitas pessoas têm isso. A maioria dos efeitos colaterais do kratom parecem dietéticos, do tipo que você poderia ter com o café ou lotes de outros alimentos.

Mas assim é a vida. Isso acontece com um monte de coisas. Então isso não é nada para mim. Eu nem mesmo considero um efeito colateral.

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta