Relatos do Kratom: Cassidy Reese

Relatos do Kratom: Cassidy Reese

Clique aqui para ler a versão original em inglês

“Relatos do Kratom” é uma série de entrevistas do KratomScience.com com pessoas que usam kratom para ajudar a lidar com a dor, depressão, ansiedade ou dependência de drogas. Entre em contato conosco no Twitter @kratomscience ou pelo e-mail do Brian ([email protected]) se você gostaria de contar a sua história.

Nota: nossa série ‘Histórias do Kratom’ geralmente é apresentada em formato de entrevista. Cassidy nos enviou esta história detalhada e completa em resposta às minhas perguntas iniciais, então eu decidi publicá-la como estava, com muito pouca edição – Brian

Meu nome é Cassidy Reese e eu atualmente vivo em Lake Charles, Louisiana. Eu tenho dois irmãos: uma irmã mais velha e um irmão mais novo. Nasci no Texas, mas cresci no sul da Flórida com meu irmão desde muito cedo. Ambos somos atletas desde que tínhamos idade suficiente para correr e chutar uma bola de futebol. Os meus pais são atletas que passaram a minha juventude treinando e correndo maratonas. Meu pai foi para a faculdade com uma bolsa de atletismo e, em seguida, se tornou professor, treinador e diretor da escola. O meu pai me treinou em tudo, desde futebol a softbol. Minha equipe do ensino médio ganhou o campeonato estadual da Flórida para a nossa divisão do meu segundo ano do ensino médio. O meu irmão foi jogar futebol universitário. Ao longo dos meus dias de faculdade e minha vida adulta, eu continuei jogando esportes de liga indoor.

Desde o início da minha jornada de dor crônica, eu dei o meu melhor para ficar fisicamente em forma e encontrar novas maneiras de me desafiar fisicamente e emocionalmente. Eu completei 8 corridas Tough Mudder com o meu namorado de 9 anos e nossa equipe incrível de pessoas, que tinham se conhecido todos online. As Tough Mudders são meias maratonas com pistas de obstáculos de lama. Alguns meses depois de uma cirurgia na minha coluna, meus colegas de trabalho e eu raspamos as nossas cabeças para arrecadar dinheiro para a fundação St. Baldrick, que financia a pesquisa do câncer infantil.

“A dor e o sofrimento das mulheres não são respeitados”

Minha odisseia médica começou quando eu estava na faculdade (por volta de 2001). Eu fui diagnosticada com cistos ovarianos (de tamanho entre uma bola de golfe e de beisebol) e enxaquecas relacionadas a hormônios. Tenho lutado contra graves problemas de dor menstrual desde então. A certa altura, quando fui ao médico do campus, me contorcia com tanta dor que estava em lágrimas. Ele me disse para tomar Advil e aguentar. Essa foi a minha primeira experiência de como a dor e o sofrimento das mulheres não são tratados ou respeitados como a dor dos homens.

Depois de anos de ciclos altamente irregulares e pesados que podiam acontecer tão frequentemente como a cada 2 semanas, no final de 2008 finalmente encontrei um médico que estava disposto a dar o melhor de si para encontrar a causa e me ajudar de qualquer maneira que ele pudesse. Após muitos exames de sangue e imagiologia, fui diagnosticada com endometriose e fiz cirurgia laparoscópica (outubro de 2008) para ajudar a remover o máximo de endometriose e tecido cicatricial possível para ajudar a diminuir a minha dor. Depois de discutir todos os tratamentos pós-cirúrgicos com medicamentos que estão no mercado, o meu médico e eu concordamos em começar injeções de Lupron para eliminar qualquer endometriose existente.

O Lupron é um medicamento que faz com que o seu corpo entre na menopausa induzida quimicamente. Eu tinha 24 anos na época. Os efeitos colaterais dessa droga são semelhantes às coisas que acontecem com as mulheres que passam naturalmente pela menopausa: ondas de calor, suores noturnos, mudanças de humor, perda de densidade óssea etc. Eu tomei essa droga por 3 meses e meu corpo nunca mais foi o mesmo desde então.

Os sintomas da minha endometriose voltaram ao normal assim que parei com os medicamentos. O meu médico fez o melhor para me ajudar. Mas ele também foi muito honesto, que se eu fosse ter filhos através de meios tradicionais, eu precisaria fazê-lo o mais rápido possível depois de parar o Lupron, para ter mais chances de ficar grávida. Ele também afirmou que, para algumas mulheres, estar grávida e ter uma criança tiveram um grande impacto na endometriose delas, e que, para algumas delas, a endometriose foi elimada totalmente, por causa das mudanças em sua química corporal/hormônios e o fato de seus corpos terem passado 9 meses sem um ciclo.

“A sugestão súbita de que eu teria alguns dos principais órgãos que me fazem uma mulher removidos, simplesmente porque eu não ia usá-los para carregar uma criança, foi devastador para a minha saúde mental por um tempo.”

Eu estava no início dos meus 20 anos na época, e definitivamente não estava pronta para começar essa jornada. No início foi difícil para mim compreender a ideia de que tinha de tomar decisões sobre como começar uma família por causa da minha jornada médica em vez de ser parte do meu relacionamento com o homem que amo. Nos meses que se seguiram ao parar com o Lupron, continuei a ter problemas com o meu ciclo e comecei a desenvolver uma dor profunda e interminável nos meus músculos, articulações e ossos. Meu médico começou a me prescrever analgésicos e me encaminhar para outros especialistas para tentar encontrar a causa.

Em 2009, fui encaminhada para um especialista em fertilidade para ver se ele poderia ajudar a resolver algumas das questões recorrentes com o meu ciclo. Quando ele não pôde me ajudar com antibióticos, ele recomendou que eu fizesse uma histerectomia completa, porque minhas contagens de folículos estavam muito baixas para que um dia eu fosse capaz de engravidar, e isso iria “corrigir todos os meus problemas imediatamente”. Essa foi outra experiência em minha jornada onde mais uma vez percebi como os médicos mais antigos viam o corpo e a dor das mulheres como menos críticos do que os corpos e dores dos homens. A sugestão súbita de que eu teria alguns dos principais órgãos que me fazem uma mulher removidos, simplesmente porque eu não ia usá-los para carregar uma criança, foi devastador para a minha saúde mental por um tempo.

Felizmente, a minha mãe era uma médica titulada não praticante, que trabalhava nas áreas de ensaios médicos, desenvolvimento de medicamentos e análise médica, e sabia que havia médicos mais progressistas por ali. Ela ligou para uma amiga próxima na Clínica Cleveland, na Flórida, e me levou para ver as “alternativas à histerectomia” por meio de uma especialista obstetra-ginecologista que eles tinham na equipe. Ela confirmou que eu teria uma probabilidade muito baixa de engravidar, mas que não havia absolutamente nenhuma razão para eu fazer uma histerectomia, e que definitivamente não iria corrigir o conjunto mais amplo de problemas que eu estava desenvolvendo, e que poderia realmente causar mais problemas, porque então eu realmente precisaria de hormônios sintéticos para o resto da minha vida. Quando ela ouviu a grande variedade de sintomas que eu tinha, incluindo todos os meus problemas de dor, ela foi o primeiro médico a sugerir que o que eu estava descrevendo parecia ser fibromialgia. Ela sugeriu que eu passasse com o reumatologista na Clínica Cleveland. Ele recusou me ver porque não acreditava que a fibromialgia fosse uma doença real (a Clínica Cleveland está agora, supostamente, na vanguarda do tratamento de fibromialgia. Que mudança uma década pode fazer…). A justaposição entre o tratamento que recebi desses dois médicos apenas me confirmou como foi diferente para um médico do sexo masculino e uma do sexo feminino ver e se solidarizar com a dor de uma paciente mulher.

“Lidando com a dor em tempo integral”

Em abril de 2009, comecei a ter que lidar com a dor o tempo inteiro, com o agravamento da minha coleção de sintomas de dor. Ao longo do ano seguinte, ela e eu tentamos praticamente todos os tipos de opióides de nível baixo, NSAID, esteróide, relaxante muscular, SSRI, SNRI, medicação para dormir, fisioterapia, terapia ocupacional e treinamento de mindfulness; tudo o que ela tinha em seu arsenal, sem muita mudança no nível de dor ou intensidade. Ela também fez uma bateria contínua de testes para tentar encontrar a fonte da minha dor e para confirmar/descartar a possibilidade de ser causada por doenças reumáticas como lupus (resultados negativos). Os meus exames de inflamação costumavam estar por todos lados. Então, em junho de 2010, ela me encaminhou para um reumatologista para mais diagnósticos.

O reumatologista começou pedindo ainda mais exames de sangue para descartar explicações simples, incluindo AR, hepatites B e C, testes de metais pesados, vitamina D e painéis de cálcio, painel metabólico abrangente, tireóide, teste de fosfoquinase creatina, e porfirinas de plasma. Depois de um mês experimentando novos SNRI sem muito sucesso, ele na verdade sugeriu que eu trocasse o Vicodin por um um adesivo de Fentanil, porque o Vicodin poderia estar causando dor secundária, e o Fentanil era “mais seguro”. Ele então me disse que eu tive sorte que ele pudesse prescrever a receita médica, porque a licença de drogas dele tinha vencido, e que tinha acabado de conseguir a renovação naquele dia. Em seguida, ele escreveu a receita errada 3 vezes, e quando me entregou a versão que eu iria usar para comprar na farmácia, ele tinha dobrado a dose do adesivo. Cheguei muito perto de ter uma overdose, mas felizmente percebi o que estava acontecendo antes de ficar incoerente demais para remover o adesivo. Não é necessário dizer que nunca mais voltei naquele reumatologista, e contei ao meu médico de controle da dor o que aconteceu, para nunca mais lhe encaminhar pacientes.

Quando contei à minha mãe sobre a afirmação dele de que o Fentanil era mais seguro, ela quase ficou louca. Tenho sido bastante firme contra as recomendações de outros médicos para tomar doses mais elevadas de medicamentos opioides mais intensos para a dor desde então, e tenho procurado encontrar maneiras alternativas para ajudar a aliviar a minha dor, combinando-as com as minhas doses moderadas de medicamentos para a dor.

“Ele recusou me ver porque não acreditava que a fibromialgia fosse uma doença real.”

No verão de 2013 eu rompi o meu disco invertebral L5-S1. Fui ver a minha médica atual de controle da dor porque mal conseguia andar ou ficar reta em pé. Eu sentia tanta dor que estava em lágrimas. Ela afirmou que o meu único problema era que eu estava acima do peso (ganho de peso causado por drogas que ela prescreveu), e que eu precisava ir nadar e perder peso, e que eu ficaria bem. Esse foi mais um exemplo de um médico não levando a dor das mulheres a sério, mas foi ainda mais chocante porque ela era uma médica especializada no tratamento de dor crônica. Eu conhecia meu corpo e sabia que algo mais estava errado, então imediatamente liguei para outro especialista para uma segunda opinião e recebi o diagnóstico correto. Depois de tentar tratamentos mais conservadores para ajudar a aliviar a dor causada pelo meu disco rompido, eu fiz uma microdiscectomia em dezembro de 2013. Eu pude ficar em pé e andar normal quase imediatamente.

Passei os anos seguintes em cuidados da equipe que consertou a minha coluna. Eles trabalharam para controlar a minha dor e diagnosticar todos os problemas que contribuem para a minha dor. Junto com o meu disco rompido, foi encontrado que eu tinha discos comprimidos ou abaulados na maioria das áreas da minha coluna, e que eu também tinha grave estenose espinhal degenerativa, fibromialgia, ciática, alodinia e um transtorno generalizado de dor neuromuscular; todos contribuíam para a minha dor constante e espasmos musculares. Tentamos todos os tipos de combinações de drogas, injeções e procedimentos para tentar minimizar a minha dor, mas nada parecia ter efeitos duradouros. O meu médico e sua equipe continuaram trabalhando diligentemente para lidar com os meus sintomas de dor, para que eu pudesse continuar a trabalhar e manter a aparência de uma vida normal.

“Minha jornada com o kratom”

Em agosto de 2016, eu deixei meu trabalho de especialista em planejamento financeiro em Nova Orleans, e meu namorado e eu nos mudamos para uma pequena cidade em Oklahoma, onde ele estava começando uma nova posição na indústria de cassinos. Quando chegamos, eu decidi focar a energia que eu tinha nas coisas que eu era mais apaixonada, e me tornei uma artista em tempo integral e resgatadora de animais. Esse é o lugar onde minha jornada com o kratom realmente começou.

Eu tinha visto conversas sobre o kratom antes, em alguns dos fóruns sobre dor que eu participo, mas nunca tinha feito muita pesquisa sobre ele porque eu estava sempre lidando com a dor. Na verdade, eu me interessei mais pelo kratom e como ele é usado porque o meu melhor amigo também sofre de dor debilitante, mas estava tendo dificuldades para encontrar médicos que o ajudassem de alguma forma significativa, porque ele está no Medicaid (programa federal e estadual estadunidense que ajuda nos custos médicos de algumas pessoas com recursos limitados). Eu queria encontrar uma maneira de ajudá-lo a aliviar a sua dor em algum grau de forma segura e confiável, então eu comecei a fazer mais pesquisa sobre o kratom. Descobri um comerciante local que possuía variedades em cápsulas de diversas marcas, incluindo várias vendidas em pequenas quantidades por baixo custo, de modo que os clientes podiam tentar diferentes variedades para encontrar a que funcionava para eles, ou ter diversas variedades em mãos para necessidades diferentes à medida que surgissem. Assim que comecei a falar com os funcionários, eles explicaram as diferentes variedades e quais costumavam ser melhores para diferentes problemas. Eu me dei conta que essas variedades poderiam ser úteis não só para o meu amigo, mas que eu poderia tirar muito proveito delas também. Minha primeira compra foi de vários desses pacotes menores de cápsulas para mim e o meu melhor amigo.

Para facilitar a utilização e a dosagem, continuei preferindo tomar cápsulas como o meu método de ingestão. O meu nível de dor pode ser intenso de manhã, e todo o meu corpo dói. Ter cápsulas no meu criado mudo significa que não tenho de sair da cama para encontrar um copo, uma colher, uma balança e água para tomá-las. Tomar kratom em forma de cápsulas me permite tomá-lo rapidamente e facilmente com os meus outros medicamentos. Eu fiquei sem cápsulas um dia quando estava fora da cidade, e o único lugar que eu pude encontrar para comprar só tinha em forma de pó. Por causa das mãos instáveis, acabei derrubando o pó sobre todo o balcão e no chão antes de chegar ao copo. Nem preciso dizer que voltei imediatamente para as cápsulas quando cheguei em casa.

“Com a adição do kratom no meu arsenal, eu fui capaz de tomar mais facilmente o controle do meu nível de dor e diminuir a gravidade dos meus dias de dores extremas.”

Quero deixar claro que enquanto tomava kratom, ainda estava tomando a minha medicação oral para as dores e usando um adesivo de Butran que durava 7 dias. Na primeira noite que tomei kratom, descobri que a variedade que tomei, me ajudou imensamente na minha luta contra a insônia relacionada com a dor. Eu era capaz de adormecer mais rápido e dormir mais profundamente. Continuando a tomar kratom, eu notei uma melhoria marcante nos meus níveis de dor, e que eu seria capaz de reduzir o número de vezes por dia que eu precisava tomar analgésicos orais, de 3 vezes para 2 vezes por dia (ao acordar e antes de dormir). Eu também notei que, durante o longo período no meio do dia quando eu normalmente precisaria de uma dose de analgésicos, eu não estava tendo os altos e baixos “normais” que vêm com analgésicos orais, porque o kratom tinha uma atuação mais prolongada e ficava no meu sistema por mais tempo do que os remédios tradicionais para dor.

Durante o início da minha jornada com o kratom, outro dos maiores benefícios que descobri aconteceu quando eu tive o meu primeiro dia de dor realmente ruim. Normalmente, essas crises de dor me derrubavam completamente, e eu era forçada a ficar na cama porque doía muito mesmo para levantar ou andar. Honestamente, machucava até mesmo respirar, e eu ficava o dia inteiro dobrada em posição fetal tentando todos os métodos que eu aprendi ao longo dos anos de fisioterapia, terapia ocupacional, instrutores de yoga, quiropráticos etc. para ajudar a achar uma gota de alívio que fosse. Esses dias ruins tinham se tornado frequentes, e a pior parte era a manhã. Os meus analgésicos orais diminuíam um pouco o meu nível de dor, mas, por causa do acetaminofeno na medicação e do meu contrato de dor com o meu médico, eu não podia tomar qualquer medicação adicional além da dose prescrita, então eu tinha que sofrer e dar um jeito. Com a adição do kratom no meu arsenal, eu fui capaz de tomar mais facilmente o controle do meu nível de dor e diminuir a gravidade dos meus dias de dores extremas.

Pelo kratom ser todo natural, folhas de planta pura, sem quaisquer aditivos, eu não tinha a preocupação de adicionar mais acetaminofeno, outros AINEs, ou qualquer outro medicamento OTC em meu corpo. Isso significava que eu podia aumentar a minha dose ou tomá-lo com mais frequência durante uma crise de dor. Isso foi uma virada no jogo para mim. Eu tenho sido capaz de diminuir a gravidade dos meus dias ruins de dor e ter uma qualidade de vida muito melhor, e me permitir mais uma vez passar um tempo significativo trabalhando em meu estúdio de arte e trabalhando ao ar livre com os meus animais resgatados e na granja de galinhas.

Atualmente, eu estou tomando a Red Vein Bali, mas eu usei diversas variedades no passado, e tive ótimos resultados com todas elas. Minha dosagem atual é de 4-6 cápsulas, 2 ou 3 vezes por dia, dependendo do meu nível de dor. Até esse momento, eu nunca experimentei quaisquer efeitos colaterais ou problemas tomando kratom, mas eu definitivamente recomendo que os novos usuários comecem com uma dose pequena, e que vão buscando encontrar uma dose que funcione bem para eles. Eu desencorajo fortemente que os novos usuários comecem imediatamente com uma dose maior, porque você não tem ideia de como o seu corpo vai reagir ou quais os efeitos colaterais potenciais que você pode experimentar.

Eu faço parte de vários grupos online. Um deles é um grupo para aqueles de nós interessados em política e ativismo. Curiosamente, o grupo está cheio de um número grande de pessoas que sofrem de todos os tipos de doenças crônicas, muitas das quais causam muita dor a essas pessoas. Eu recomendo regularmente aos colegas, especialmente aqueles que têm de usar uma quantia significativa de drogas para controlar a dor, e aqueles que têm dificuldade em encontrar médicos para ajudá-los a lidar com a sua doença ou dor, que eles deveriam experimentar o kratom e ver se poderia ajudá-los a reduzir a dor e a ansiedade da dor, e melhorar o humor.

Acredito que quanto mais pessoas expusermos ao bem que o kratom pode fazer por elas ou pelos seus entes queridos, mais chances temos de impedir políticos e agências governamentais que querem fazer do kratom uma droga controlada ou banir a sua importação e venda. Acredito que muitos políticos não compreendem verdadeiramente o kratom, para que é usado, ou o bem que pode fazer. Tudo o que eles veem é outra erva sendo vendida em lojas de produtos para fumar, e presumem que ele é apenas uma nova versão de algo para se divertir. Isso é o que aconteceu em Louisiana esse ano antes de eu me mudar de volta a Louisiana de Oklahoma. Os nossos políticos estaduais aprovaram uma lei sem sentido que proibiria a venda de kratom se a DEA (Administração do Controle de Drogas does Estados Unidos) colocasse o kratom como uma droga da Lista 1. A lei é um ponto discutível porque se ele é classificado como uma droga da Lista 1, seria ilegal em todos os estados. Esses políticos só querem parecer que estão fazendo algo sobre a epidemia de drogas, sem realmente ir atrás das empresas farmacêuticas (que os subornam com fundos de campanha eleitoral), que são a causa raiz do problema.

Vou continuar sendo uma voz positiva para o kratom no nosso estado e dividir com os outros todo o bem que o kratom tem feito para tantas pessoas. Mesmo nos meus piores dias de dor, eu ainda posso defender nas redes sociais a desestigmatização dos pacientes com dor e a contínua legalização do kratom.

Encontre Cassidy Reese online:

Twitter @mydaddyscross

Instagram @crafty_cassidy

Etsy https://www.etsy.com/shop/mydaddyscross

Deixe uma resposta

Deixe uma resposta