Kratom em alta na Alemanha

Kratom em alta na Alemanha

O kratom tem explodido em popularidade nos últimos anos nos Estados Unidos. Inúmeras histórias, batalhas legislativas e grupos de defesa cresceram a partir desse movimento. De fato, existem agora mais de 15 milhões de consumidores de kratom de acordo com a Associação Americana de Kratom.

Michael Carr, de Jacksonville, Flórida, creditou ao kratom a ajuda que lhe foi dada para ficar longe de benzodiazepinas, analgésicos e outros medicamentos prescritos. “Eu lido com ansiedade e depressão”, disse ele. “Eu tenho fibromialgia, por isso lido com a dor”. Tenho artrite pós-traumática em minha clavícula, então tomo (kratom) também para isso. Principalmente, a ansiedade e a dor. Há uma série de outras coisas em que ele ajuda. Portanto, é uma planta perfeita”.

Enquanto existem inúmeras histórias nos EUA, muitos na Europa estão apenas começando a descobrir o que o kratom tem a oferecer. Então, por que há um súbito boom de interesse na Alemanha?

A "nova" planta alemã

O kratom certamente não é uma planta nova, apesar de seu recente aumento de popularidade. Na verdade, ela tem uma longa história de uso medicinal no sudeste asiático, particularmente na Tailândia e na Malásia. Em 1930, os botânicos I. H. Burkill e Mohammed Haniff relataram no Cambridge Journal of Asiatic Society que o kratom também tinha sido efetivamente utilizado como uma ferramenta de redução de danos para usuários de opiáceos ao longo do século XIX.

Dirk Netter, autor de Kratom – Ethnobotany, Application, and Culture, o primeiro livro em língua alemã sobre o kratom, compartilha suas ideias sobre a longa história do kratom.

“Há um capítulo bastante grande sobre a história do kratom desde a sua descoberta pelos primeiros exploradores europeus até os dias de hoje”, disse ele. “Usei alguns dos diários de Pieter Korthals (o descobridor do kratom), estive em contato com muitos museus e usei um monte de livros bastante raros para apoiar minhas descobertas.

Um mercado em crescimento

A Europa certamente passa a sensação de ser um novo mercado para o kratom crescer. Enquanto muitos países da Europa adotam novas tendências a ritmos diferentes, a Alemanha parece disposta a experimentar o kratom. “Até onde sei não há números oficiais sobre quantas pessoas usam o kratom (na Alemanha)”, disse Netter. “Mas recentemente, notei um aumento significativo no número de vendedores de kratom e de lançamentos sobre o kratom nas mídias sociais”.

Netter também olha para o interesse em seu livro como um sinal de para onde a kratom está se dirigindo na Alemanha.

“Se você tomar meu livro como um indicador, presumo que há três anos nenhum editor teria aceito o manuscrito porque o kratom era assim (desconhecido) – e agora vendemos metade da primeira edição apenas na pré-venda, mesmo antes da entrega do livro nas livrarias”.

Semelhante a outros países da Europa, a maioria dos alemães normalmente compra o kratom online. Uma diferença chave em relação ao mercado dos EUA é que a maioria das encomendas é pela folha moída pura, contrastando com o mercado estadunidense, onde muitas pessoas procuram o kratom em cápsulas nos head shops.

Mas ele é legal?

Sim, o kratom é atualmente legal na Alemanha. Entretanto, os vendedores não estão autorizados a anunciá-lo como um produto que tenha qualquer valor médico ou cosmético. Embora haja alguma preocupação de que a Alemanha possa ir atrás do kratom de maneiras similares aos EUA e ao Reino Unido, há muitas razões para se manter otimista.

“Até agora, felizmente, não tivemos nenhuma morte ou acidente associado ao kratom que tenha se tornado amplamente público”, observa Netter. “Assim que isso mudar, haverá má publicidade – o mesmo aconteceu com a Salvia divinorum cerca de 10 anos atrás”.

Felizmente, há também uma tentativa de criar uma Associação de Kratom comparável com a Associação Americana de Kratom. Isso permitiria aos defensores e vendedores na Alemanha a oportunidade de reunir fundos e estar preparados para proteger o uso livre e justo do kratom, que já ajudou milhões.

Apesar deste medo, a Alemanha tem uma perspectiva muito melhor sobre o uso de drogas e políticas. “A situação geral é que o consumo de qualquer substância é legal”, disse Netter. “O que significa que se pode ir ao hospital para tratar uma overdose sem ter o medo de ser preso”.

É claro que, ao contrário de algumas das leis draconianas sobre drogas nos Estados Unidos, a Alemanha e muitas outras nações europeias favorecem a reabilitação em detrimento da criminalização. Então o que seria necessário para que mais países adotassem uma política radical de drogas como Portugal? Desde que despenalizou todas as drogas em 2001, Portugal tem visto quedas dramáticas em overdoses, infecção pelo HIV e crimes relacionados à droga.

Com uma política de drogas tão eficaz, o kratom poderia ser a planta perfeita para ajudar as pessoas que sofrem em Portugal?

Deixe uma resposta