Fibromialgia e kratom

Fibromialgia e kratom

Um rápido olhar sobre a fibromialgia

A fibromialgia é uma doença crônica que se caracteriza principalmente pela dor generalizada em todo o corpo e pela fadiga. Estima-se que 2-6% da população mundial sofre dessa condição, que causa dor grave e incapacitante nos músculos e tecidos fibrosos. É uma doença difícil de diagnosticar e definir, pois é uma alteração individual anômala na percepção da dor, de modo que a sensação de dor é amplificada em estímulos que podem não ser tão dolorosos para os outros.

As causas da fibromialgia, apesar de muitos estudos, são difíceis de definir. No entanto, algumas características gerais levam à conclusão de que seu aparecimento geralmente ocorre especialmente após eventos traumáticos, a existência de lesões permanentes e/ou a existência de certas doenças. Também se considera que fatores genéticos podem ser responsáveis pela causa. Curiosamente, a fibromialgia é mais prevalente entre as mulheres.

Os principais sintomas da fibromialgia são dor e rigidez generalizadas no corpo, fadiga e cansaço. Eles são agravados por outros sintomas que afetam as funções neurológicas e o desenvolvimento de depressão e ansiedade. Como a doença é caracterizada por um amplo conjunto de sintomas, muitas vezes é diagnosticada apenas depois da consulta com vários profissionais da saúde, já que não há testes específicos para sua detecção.

O tratamento da fibromialgia até o momento é paliativo. Em outras palavras, não se sabe exatamente como combater suas causas e, portanto, a ação médica está focada no tratamento de seus sintomas, especialmente com analgésicos potentes, antidepressivos e relaxantes musculares. A mudança de estilo de vida também é uma parte importante do alívio dos sintomas, como melhorar o padrão de sono, praticar exercícios físicos regularmente, priorizar uma dieta saudável e o controle do estresse. Algumas pessoas também encontram ajuda na psicoterapia e/ou em terapias alternativas complementares.

O kratom pode ajudar com a fibromialgia?

Sabe-se que para aliviar a incômoda dor que as pessoas que sofrem de fibromialgia experimentam, os analgésicos de venda livre geralmente não são eficazes, portanto, medicamentos mais fortes à base de opiáceos são prescritos frequentemente devido à dificuldade de viver o dia a dia em um estado de dor permanente. Os remédios à base de ópio, entretanto, têm efeitos colaterais fortes e problemáticos para seus usuários, o que por si só é uma das razões pelas quais tantos americanos tornaram o kratom tão popular nas últimas duas décadas: após passar por uma verdadeira crise nacional de venda excessiva de opiáceos prescritos pelo sistema de saúde, as pessoas passaram a buscar alternativas mais saudáveis tão eficazes quanto as drogas fabricadas pela indústria de opiáceos, mas sem seus terríveis efeitos que tornavam seus corpos basicamente inúteis para funcionar e ter uma vida minimamente normal. Foi assim que o kratom se tornou popular no ocidente: eficaz e sem efeitos colaterais sérios.

O kratom mostra que a eficácia de suas propriedades analgésicas e anti-inflamatórias não se restringe às milhares de histórias encontradas na web sobre como essa planta ajudou tantas pessoas a recuperar sua qualidade de vida (recomendamos que você dê uma olhada nas histórias reais de várias pessoas: https://www.kratomscience. com/categoria/kratom-stories/), mas vários estudos científicos provam sua utilidade para a dor, ansiedade e retirada de opiáceos (1 y 2). Ao discutir especificamente a fibromialgia, estes são alguns dos relatos daqueles que decidiram experimentar o kratom para lidar com sua doença:

Relatos de pessoas que tomam kratom para a fibromialgia

Cassidy Reese, de Louisiana, Estados Unidos

Artigo completo, em inglês: https://www.kratomscience.com/2019/12/12/kratom-stories-cassidy-reese-from-louisiana/

“O médico se recusou a me ver porque ele achava que a fibromialgia não era uma doença real”.

“Junto com meu disco rompido, descobri que eu tinha discos comprimidos ou salientes na maioria das áreas de minha coluna vertebral, além de estenose espinhal degenerativa severa, fibromialgia, ciática, alodinia e um distúrbio de dor neuromuscular generalizado que contribuiu para minha dor constante e espasmos musculares. Tentamos todos os tipos de combinações de drogas, injeções e procedimentos para tentar minimizar minha dor, mas nada parecia ter nenhum efeito duradouro”.

“Durante o início da minha jornada com o kratom, outro grande benefício que descobri ocorreu quando tive meu primeiro dia de dor realmente ruim. Normalmente essas crises de dor me incapacitariam completamente e eu seria forçada a ficar na cama porque doía muito até mesmo me levantar ou andar por aí”.

“Com a adição do kratom ao meu arsenal, fui capaz de controlar mais facilmente meu nível de dor e diminuir a gravidade dos meus dias de dor extrema”.

“Como o kratom é uma planta natural, pura e sem aditivos, não precisei me preocupar em colocar mais acetaminofeno, outros anti-inflamatórios ou qualquer outro medicamento de venda livre no meu corpo. Isso significava que eu poderia aumentar minha dose ou tomá-la com mais frequência durante uma crise de dor. Essa foi uma mudança de 180 graus para mim”.

Michael Carr, da Flórida, Estados Unidos:

Artigo completo: https://www.kratomscience.com/2019/10/24/kratom-stories-michael-carr-from-florida/

“Eu tomo kratom por muitas razões. Eu tenho que controlar a ansiedade e a depressão. Eu tenho fibromialgia, então tenho que lidar com a dor. Eu tenho artrite pós-traumática da clavícula, e também tomo por isso. Principalmente a ansiedade e a dor”.

“A depressão vem com uma série de sintomas diferentes. Quando você toma a primeira xícara de café pela manhã, você recebe um pequeno impulso de energia, do tipo: “Uau, eu vou conseguir. Este vai ser um bom dia”. Mas isso só dura um pouco. O kratom é assim, mas é mais intenso e mais duradouro”.

Melody Woolf, de Michigan, EUA:

Podcast em inglês: https://www.kratomscience.com/podcast/12-melody-woolf/

Melody Woolf é de Kalamazoo, Michigan. Melody sofre de várias condições que lhe causam dores crônicas insuportáveis, incluindo fibromialgia e estenose espinhal. Ela ficava em casa quase o tempo todo e tinha que usar uma cadeira de rodas, um andador e opiáceos para passar o dia. Ela descobriu o kratom há seis anos e agora faz caminhadas, anda de bicicleta e compensa o tempo perdido devido ao seu estado anterior com os filhos. Ela também é uma incrível ativista do kratom e pode ser encontrada no twitter @MelodyHope5.

Kami Ann Davis, da Califórnia, Estados Unidos

Artigo completo, em inglês: https://www.kratomscience.com/2020/06/12/kratom-stories-kami-ann-davis-from-california/

“Eu tenho fibromialgia. Acredito que seja consequência de múltiplos traumas no corpo. Eu tenho fibro há 20 anos. Ainda não entendo totalmente, mas posso lidar muito bem com ela desde que cuide bem de mim mesma e controle meu estresse. O kratom faz maravilhas com ela. É uma dor penetrante que faz tudo doer. Parece que você está vestindo uma roupa de mergulho dez vezes menor”.

Deixe uma resposta