Kratom | Portugal Flag: Portugal

O kratom foi incluído na lista de novas substâncias psicoativas da legislação farmacêutica portuguesa em 2013, na classe “plantas e seus constituintes ativos”, através da Portaria 154/2013. Como o uso e a posse não são criminalizados, as penalidades podem afetar especialmente os vendedores, que poderiam ter seus negócios fechados dentro do país.

Relatos do Kratom: Nina Ajdin

Nina Ajdin nasceu na Bósnia durante as Guerras Iugoslavas, e quando criança sobreviveu à pobreza extrema, desnutrição, desidratação e à sua família ter sofrido disparos enquanto esperava em longas filas por necessidades básicas, como água. Depois que a guerra terminou, ela foi intimidada na escola por causa de sua etnia mista – espancada, empurrada escada abaixo e jogada em pilhas de escombros. Após um longo processo, a família de Nina recebeu o estatus de refugiada para ir para os Estados Unidos quando ela tinha 10 anos de idade. Nina então desenvolveu eczema, uma erupção cutânea crônica, para a qual lhe foi prescrito um esteroide tópico (sendo a cortisona a versão mais popular, de venda livre). Após anos de uso de esteroides tópicos, o estado de sua pele piorou. Os médicos continuaram receitando esteroides, mesmo com sua condição não estando melhorando. Por fim, Nina desenvolveu um vício físico nos esteroides. Quando ela deixou de usar o creme, teve uma reação horrível e rara conhecida como Retirada de Corticoides Tópicos (RCT). Não só a sua pele estava vermelha e descamada, ela também descreve dores torturantes de queimadura, convulsões com risco de morte, pedras nos rins e outras condições que a levaram ao hospital várias vezes por semana. 

Read More »

Kratom e a retirada dos opiáceos

Este artigo é simplesmente uma coleção de comentários postados na nossa página por ex-viciados em opioides. Ele não pretende ser um guia definitivo. Os utilizadores de opioides devem fazer o máximo de pesquisa possível sobre o kratom antes de tomarem a decisão de adquiri-lo. Encorajamos qualquer pessoa que leia isto a ter muito cuidado, pois a mitragina, o alcaloide ativo mais abundante do kratom, poderia inibir o metabolismo de certas outras drogas.

Read More »

Entrevista com Dirk Netter

Dirk Netter é o autor do primeiro grande livro em língua alemã sobre o kratom. Kratom – Ethnobotanik, Anwendung, Kultur (Português: Kratom – Etnobotânica, Aplicação e Cultura) será lançado em breve pela Nachtschatten Verlag (Nightshade Press), uma editora da Suíça.

Read More »

Relatos do Kratom: Michael Carr

Michael Carr nasceu em Filadélfia, Pensilvânia e agora reside em Jacksonville, Flórida. Michael está sóbrio há 10 anos graças ao kratom, que lhe tem ajudado a ficar longe de benzodiazepínicos, analgésicos e outros medicamentos prescritos. No passado, ele vendia kratom através de uma loja de produtos vape, e atualmente está criando uma árvore de Rifat (uma variedade de kratom) em seu quintal. Ele planeja cultivar mais kratom no próximo ano.

Read More »

Relatos do Kratom: Cassidy Reese

Nossa série ‘Histórias do Kratom’ geralmente é apresentada em formato de entrevista. Cassidy nos enviou esta história detalhada e completa em resposta às minhas perguntas iniciais, então eu decidi publicá-la como estava, com muito pouca edição.

Read More »
Amy Wike Kansas

Relatos do Kratom: Amy Wike

Amy Wike é mãe de dois filhos, do Kansas. Ela pode ser encontrada como @MonnieLV2019 no Twitter. Amy sofre de dor crônica devido ao estresse severo em suas costas por trabalhar por vários anos em uma fábrica de processamento de carne bovina. Depois de ter os medicamentos convencionais a base de opióides para as dores cortados por seus médicos, ela descobriu o kratom.

Read More »

Estratégia Nacional de Drogas e Leis

Desde novembro de 2001, a aquisição, a posse e o consumo de drogas deixaram de ser considerados crime em Portugal. O consumo foi descriminalizado, mas não está isento de sanções. O consumo de substâncias psicoativas ilícitas continua a ser um ato punível por lei, mas já não é um crime (e é tratado como tal nos tribunais) e é agora um delito social.

O Plano Nacional para a Redução de Comportamentos Aditivos e Dependências 2013-20 baseia-se na estratégia de 1999 e tem uma visão ampla e integrada dos problemas de drogas e dependência, incluindo o uso de substâncias ilícitas, novas substâncias psicoativas, álcool, medicamentos de prescrição, esteróides anabolizantes e jogos de azar. Ele é guiado por cinco objetivos abrangentes e é construído em torno dos dois pilares da demanda de drogas e redução da oferta de drogas.

A principal lei sobre as drogas em Portugal é o Decreto-Lei 15/93, de 22 de janeiro de 1993, que define o regime jurídico aplicável ao tráfico e consumo de estupefacientes e substâncias psicoactivas. A Lei 30/2000, adotada em novembro de 2000, mas em vigor desde julho de 2001, descriminalizou o consumo, aquisição e posse de drogas para consumo pessoal.

Um regulamento estabelece quantidades máximas de drogas em gramas, sendo essas quantidades estimativas da média necessária para 10 dias de consumo. Uma pessoa pega usando ou possuindo menos do que a quantidade máxima de uma droga para uso pessoal, onde não há suspeita de envolvimento no tráfico de drogas, será avaliada pela comissão local para a dissuasão da toxicodependência, composta por três membros, sendo dois médicos, psicólogos, sociólogos ou assistentes sociais e, o terceiro, um jurista. Podem ser aplicadas sanções punitivas, mas os principais objetivos são explorar a necessidade de tratamento e promover uma recuperação saudável.

O tráfico de drogas pode incorrer em uma pena de 1-5 ou 4-12 anos de prisão, dependendo de critérios específicos, um dos quais é a natureza da substância fornecida. A penalidade é reduzida para os usuários que vendem drogas para financiar o seu próprio consumo.

O Decreto-Lei 54/2013 proíbe a produção, exportação, publicidade, distribuição, venda ou simples dispensa de novas substâncias psicoativas (NPS) enumeradas na lista que acompanha o Decreto-Lei e estabelece um mecanismo de controle para as NPS, que inclui o kratom.

Política Nacional de Tratamento

Mundialmente considerado um exemplo bem sucedido de tratamento humanizado para a toxicodependência, o Plano Nacional para a Redução de Comportamentos Aditivos e Dependências 2013-20 declara que as intervenções de tratamento devem basear-se num diagnóstico abrangente de todas as necessidades médicas e sociais de cada cidadão, ser acessíveis e adaptáveis, basear-se em provas científicas em termos de eficácia, eficiência e qualidade e basear-se em orientações.

Cuidados de saúde para usuários de drogas são fornecidos pela Rede de Referência para Comportamentos Aditivos e Dependências. A rede inclui serviços públicos especializados que prestam tratamento à dependência de substâncias ilícitas, sob a autoridade das administrações regionais de saúde do Ministério da Saúde, organizações não governamentais e outros prestadores de serviços de tratamento públicos ou privados interessados e competentes na prestação de cuidados. Os serviços públicos são prestados gratuitamente e são acessíveis a todas as pessoas que consomem drogas e que procuram tratamento.

Em Portugal, a OST está amplamente disponível. O tratamento de manutenção com metadona (MMT) pode ser iniciado em centros de tratamento, e o tratamento com buprenorfina pode ser iniciado por qualquer médico, médicos especializados e centros de tratamento. O MMT é gratuito para o usuário, enquanto os medicamentos à base de buprenorfina estão disponíveis em farmácias, com o Serviço Nacional de Saúde cobrindo 40% do preço de mercado.

Artigos recentes e notícias